/Pressão e favoritismo: CSA e CRB começam a definir o campeão alagoano de 2019

Pressão e favoritismo: CSA e CRB começam a definir o campeão alagoano de 2019

Há quem defenda que num clássico a pressão pela vitória sempre fica dividida para os dois lados e que favoritismo fica apenas no papel. No entanto, a decisão do Campeonato Alagoano de 2019 coloca CSA e CRB em situações contrárias ao que ocorreu nos últimos três anos, já que pela primeira vez o Azulão chega na decisão de 180 minutos como favorito a levantar o caneco. O primeiro confronto acontece às 16h, deste domingo (14), no Rei Pelé, com transmissão em Tempo Real da Gazetaweb, já a partir das 14h.

Apesar de chegarem pressionados devido as eliminações nas quartas de finais da Copa do Nordeste, no último final de semana – o que aumentou as críticas ao trabalho do técnico azulino Marcelo Cabo e a demissão de Roberto Fernandes do comando regatiano -, os rivais não dividem o mesmo peso nesta tarde. 

 

Atual campeão alagoano e representante do estado na Série A do Campeonato Brasileiro, o Azulão tem no título estadual a chance de salvar o planejamento do primeiro quadrimestre da temporada.

No lado vermelho, vencer o rival e levantar o 31º título alagoano também serviria como uma espécie de redenção para o CRB. A situação no Galo estava controlada até ocorrerem as duas eliminações fatídicas: na Copa do Nordeste, derrota nos pênaltis para o Santa Cruz; na terceira fase da Copa do Brasil, o adeus frustrante com gol sofrido aos 53 minutos da segunda etapa para o Bahia. 

Inegável não haver pressão para a conquista do título. Incontestável a vontade de não olhar o confronto contra o maior rival e não pensar: “eis a chance de tirar a corda do pescoço”. Durante a semana, as comissões técnicas esconderam o jogo e, certamente, com coachingou não, trabalharam o psicológico dos jogadores e passaram a missão para os que estarão em campo.

Indefinições no CSA

O adeus ao Nordestão, com derrota por 3×1 para o Botafogo-PB, assou de vez a batata do técnico Marcelo Cabo. O que até a eliminação para o Mixto-MT, na Copa do Brasil, nem sequer era cogitado, ganhou novo capítulo após uma certa declaração do presidente azulino Rafael Tenório.

“Depois do jogo [contra o Botafogo-PB], não desci para o vestiário porque estava com a cabeça quente. O que estou vendo? Comportamento de equipe pequena. O CSA é time grande que vai disputar a Série A. Se nós não conseguimos jogar com uma equipe de Série C, como vamos conseguir enfrentar uma equipe como o Flamengo no Maracanã? Estou chateado e insatisfeito [com o trabalho de Marcelo Cabo]. Vão ter que responder o porque desse comportamento em campo”, esbravejou o mandatário.

Justamente para resolver os defeitos apresentados em campo, seja no ataque, defesa ou meio campo,  o CSA resolveu fechar todos os treinamentos na semana. A expectativa é que a equipe possa se apresentar com uma formatação diferente, ousada, para o jogo de abertura da final com a maioria nas arquibancadas vestindo azul e branco. 

O lateral esquerdo Pablo Armero, o volante Naldo e o meio-campista Madson não estão inscritos no Alagoano e, portanto, não poderão atuar. Outra mudança considerável deverá acontecer no miolo de zaga: saída de Ronaldo Alves e a volta de Gerson. Esta mudança, de fato, é considerável já que o Azulão sofreu sete gols nas cinco partidas em que Ronaldo dividiu a titularidade com Luciano Castan. No ataque, Cassiano deverá esquentar o banco de reservas ao ceder espaço para Patrick Fabiano, recuperado de lesão.

Desta maneira, uma provável escalação azulina frente ao rival alvirrubro deverá contar com João Carlos; Apodi, Gerson, Luciano Castan e Rafinha; Dawhan, Didira e Matheus Sávio; Victor Paraíba (Robinho), Manga Escobar e Patrick Fabiano.

Estreia de Chamusca

Anunciado após a saída conturbada do técnico Roberto Fernandes, no último domingo (7), Chamusca chegou em Maceió e logo arregaçou as mangas para tentar corrigir os erros apresentados pelo time regatiano. Com apenas quatro dias de trabalho no CT Ninho do Galo, o treinador não deve promover muitas alterações na equipe que vinha atuando com Fernandes.

Desfalque contra o Bahia devido um problema no tornozelo, o zagueiro Wellington Carvalho pode retornar ao time titular do Galo, caso não sinta nenhum desconforto antes da partida. Se não tiver condições, Guilherme Mattis permanece formando dupla ao lado de Edson Henrique.

O volante Ferrugem também luta por uma vaga entre os onze iniciais e, pode voltar na vaga de Lucas, que ganhou a posição no meio-campo desde a lesão do ex-azulino. 

Já o centroavante Zé Carlos, que deixou o gramado de ambulância na partida contra o Bahia devido a uma pancada na cabeça, está liberado pelo Departamento Médico do Regatas e fica à disposição de Chamusca para comandar o ataque do Galo. Victor Rangel também disputa a vaga. 

O CRB deve ir a campo com Edson Mardden; Júnior, Guilherme Mattis (Wellington Carvalho), Edson Henrique e Igor; Claudinei, Lucas (Ferrugem) e Felipe Menezes; Mailson, William Barbio e Zé Carlos (Victor Rangel).

Arbitragem Fifa

Para estes primeiros 90 minutos, a direção do CSA solicitou um trio de arbitragem Fifa. Por isso, o gaúcho Anderson Daronco apita o clássico no Rei Pelé. Já o paranaense Bruno Boschila e a catarinense Neusa Back, também do quadro da Fifa, serão os assistentes. A quarta árbitra será a pernambucana Débora Cecília Correia.

 Gazetaweb