Prefeitura de Santo André pede a instalação de nova unidade do restaurante Bom Prato na Vila Luzita

O Prefeito Paulo Serra participou nesta sexta-feira (22) de almoço comemorativo dos 15 anos da única unidade do Bom Prato no ABC, localizada na região central de Santo André. O prefeito andreense aproveitou a presença do secretário de Estado de Desenvolvimento Social de São Paulo, Floriano Pesaro, para formalizar o pedido de ampliação do serviço na cidade.

“A gente inicia hoje duas tratativas com o secretário. Uma é das melhorias na estrutura desta unidade. Outra é estudar a instalação de mais um restaurante no município, porém descentralizado, projetando que ele seja na região da Vila Luzita, onde temos prédios públicos municipais e onde reside grande parte dos usuários deste serviço”, afirmou o prefeito.

Na avaliação de Serra, para ampliar a oferta, a prefeitura precisa participar mais do projeto, que hoje é mantido integralmente pelo Estado. “A gente acredita nesta política pública, que é bem avaliada pelos usuários. A administração estará em contato com o governo do Estado para procurar um local mais adequado para o restaurante já existente, até mesmo buscando prédios próprios para acomodá-lo. Em 2018, o Estado vai priorizar as cidades que não possuem este projeto e para a Prefeitura será um ano ainda de recuperação financeira, então projetamos essas melhorias e ampliação para 2019 ou 2020”, concluiu. De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento Social de São Paulo, Floriano Pesaro, “a instalação de uma unidade custa em torno de R$ 1 milhão, enquanto o custeio mensal gira em torno de R$ 100 mil”.

Desde a inauguração em 2002, o Bom Prato Santo André já serviu mais de 5 milhões de refeições. Para manter o serviço, o Estado investe, por refeição, R$ 5,19, sendo que a população paga R$ 1 desta quantia. Pesaro garantiu que o valor cobrado por cada refeição continuará o mesmo. “No início da nossa gestão, o governador Geraldo Alckmin foi taxativo em dizer que não poderia aumentar o preço do Bom Prato num momento de profunda crise econômica, com tanto desemprego. Isso não seria correto e justo com a população”. O secretário ainda comentou o aumento da cota diária de refeições na unidade andreense, que somou mais 200 pratos. “Agora com a crise econômica a demanda disparou, nós tínhamos pessoas que ficavam para fora. Com um pedido do prefeito, o Estado aumentou a oferta das refeições, de 1.200 para 1.400”.

Serra e Pesaro cumprimentaram e serviram usuários e também aproveitaram para almoçar na unidade. O cardápio do dia foi frango xadrez, jardineira de legumes (batata doce, chuchu e cenoura), salada mediterrânea (alface, tomate, pepino, azeitona preta e cebola com molho básico de salada), suco de laranja com acerola e sobremesa, mexerica e bolo.

A nutricionista da Secretaria Estadual de Desenvolvimento, Daniela Marim Mendes Pereira, explica que para a elaboração do cardápio são considerados o perfil e as necessidades nutricionais dos usuários. “Como atendemos muitos moradores de rua, que chegam a fazer apenas uma refeição no dia, o prato é elaborado pensando em 1.200 calorias. Ele é composto todos os dias de arroz, feijão, um prato principal, uma guarnição, que pode ser um legume refogado ou um creme, salada, suco, pãozinho e uma fruta. A gente varia bastante o prato, para incentivar os novos hábitos alimentares, tentamos não repetir os acompanhamentos na semana para a população consumir variados tipos de alimentos, que às vezes eles vêm conhecer quando se alimentam aqui no Bom Prato”.

Ainda sobre o cardápio, a funcionária explicou que foi implantado um sistema para evitar desperdício e adequar a quantidade de calorias para aqueles que comem mais vezes no dia ou não têm tanto apetite. “Quem escolhe a bandeja laranja consome as 1.200 calorias, quem escolhe a bandeja bege, recebe menos arroz e feijão, reduzindo cerca de 40% da quantidade calórica da refeição”.

Maria Guilhermina de Freitas, de 68 anos, almoça pelo menos uma vez por semana no restaurante desde sua inauguração. A pensionista aprova e elogia tanto o serviço, que o indica para seus conhecidos. “Hoje com um real você não consegue comprar nada, por isso eu abraço esse projeto. Eu como aqui e indico para pessoas mais carentes do que eu, a comida é boa. Espero que o restaurante continue por mais 15 anos”.

O Bom Prato Santo André fica na rua General Glicério, 710 – Centro. O restaurante funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 8h30, serve o café da manhã a R$ 0,50 e a partir das 10h, serve o almoço a R$ 1, sendo que crianças até seis anos têm a refeição gratuita. A unidade serve diariamente em média 300 cafés da manhã e 1.400 almoços. Para preparar as refeições são utilizados, em média, 50 quilos de feijão, 80 quilos de arroz, 100 quilos de verduras e 130 quilos de carne.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *